Poemas Dos Becos De Goiás E Estórias Mais

Teste agora Após 7 dias, será cobrado valor integral. Cancele quando quiser.

Sinopse

Quando Cora Coralina estreou, em 1965, com os Poemas dos Becos de Goiás e Estórias Mais, a crítica não percebeu (só perceberia mais tarde) que ali nascia uma poeta original, de raízes muito profundas na alma popular, com uma sabedoria dosada de ironia, de alguém que muito viveu e sofreu, mas de expressão tão suave, com tamanho frescor que parecia vir de uma jovem. Era e não era verdade, se ponderarmos que a alma não tem idade e os sentimentos não envelhecem. Cronologicamente, a autora era uma respeitável senhora de 75 anos (bela idade para uma estreia poética), vinda do interior de Goiás.

O público sentiu de imediato o que os críticos não perceberam: a alta tensão poética daquela poesia, seu poder de comunicabilidade, a simplicidade de expressão, o amor pelo semelhante, a comoção humana que fazia de cada leitor um passante pelos becos cheios de tradições de Goiás. Só mais tarde, com o reconhecimento de grandes figuras da literatura brasileira, como Carlos Drummond de Andrade, alguns críticos começaram a rasgar seda pela poeta. Ainda bem. Preconceitos postos de lado, descobriram nela uma irmã - em certo sentido mais suave, em outro mais áspera - de Gabriela Mistral e Rosalia ...