Poesia Negra: Solano Trindade E Langston Hughes

Teste agora Após 7 dias, será cobrado valor integral. Cancele quando quiser.

Sinopse

Poesia Negra: Solano Trindade e Langston Hughes é sem dúvida um livro de referência para todo estudioso da poesia negra. Este trabalho ultrapassa o seu título, pois nele confluem as Américas, incluindo o Caribe, os EUA, o Brasil, o Canadá e a África. Como é de esperar, Elio demonstra o seu conhecimento de Luiz Gama, Castro Alves, Cruz e Souza e de muitos poetas da negritude. Mas eu pessoalmente destacaria o trabalho primoroso que ele cumpriu ao resgatar a poesia das mulheres negras, de Esmeralda Ribeiro, Miriam Alves, Lourdes Teodoro e Tânia Lima, entre outras.
Elio sabe se valer de um discurso técnico. No seu texto florescem as palavras da Tribo, o linguajar de Teoria Literária. As notas de rodapé também apresentam esse rigor. Mas não recua diante da neológica, por exemplo, usando "caldeia" [do verbo caldear, o ferro]. Agradam-me ainda mais os momentos estilísticos em que o poeta Elio Ferreira pede passagem ao crítico Elio Ferreira.
O tom do livro é de uma pessoa engajada na sua enunciação. A voz do discurso revela um timbre pessoal que assume plenamente a sua negritude. Essa singularidade muitas vezes ganha a abrangência de um Nós coletivo. São todos os seus irmãos de "raça" que se exprimem por sua voz. Elio cita Franz Fanon, o famoso autor de Pele negra, máscaras brancas, um livro no estilo dele próprio.
O estilo é direto, bate na cara pelo ritmo das frases curtas, ou cortadas pelas vírgulas nas enumerações. A metáfora do "Navio Negreiro" e outras metáforas aguardam o leitor em muitas outras páginas, como a metáfora do tambor e a figura de Palmares.