Música E(m) Sociedade: Artigos, Crônicas, Reflexões

Teste agora Após 7 dias, será cobrado valor integral. Cancele quando quiser.

Sinopse

O livro Música e(m) Sociedade: artigos, crônicas, reflexões apresenta uma coletânea de artigos e textos curtos e diretos, trazendo (e incentivando) reflexões sobre diferentes interfaces da Música. Escritos em linguagem acessível, destinam-se não apenas a professores, pesquisadores e alunos, mas também a todos os interessados nas áreas de Comunicação e Artes.
O conteúdo do livro apresenta-se dividido nos seguintes eixos:
Música & História – da Renascença ao aboio dos vaqueiros, passando pelos cantos da Umbanda.
Música, Sociedade & Cultura – essa seção inclui um ensaio sobre o papel da música pop na tradução das questões de gênero e relações afetivas entre jovens brasileiros, entre 1950 e 2000; apresenta, também, um exemplo de como a música pode ajudar a contar uma história no cinema, bem como um texto sobre a (cada vez mais) inegável presença da poesia na arte da canção.
Música & Saúde – os três artigos dessa seção exemplificam o papel potencial da música na área da Saúde, considerada em seu sentido mais amplo, ou seja, indo além do aspecto meramente físico/técnico. Em particular, um dos trabalhos discute a noção de capital cultural ao avaliar a resposta de jovens ao contato inicial com a música erudita.
Crônicas (&) Reflexões – essa seção difere das anteriores por apresentar um caráter mais informal – mais literário que acadêmico. É composta por um conjunto de crônicas sobre diferentes aspectos da música, incluindo relatos produzidos ao longo do projeto Arte e Reabilitação, desenvolvido com apoio do CNPq.
Importante: não há uma sequência única de leitura para os textos do livro. Pode-se ler em qualquer ordem: um possível roteiro de leitura seria intercalar cada artigo de uma das três seções iniciais com algumas crônicas da última seção.
Espera-se que os textos aqui contidos sirvam como ponto de partida para novos questionamentos e práticas sempre inclusivas e democráticas.
Para que afinemos, pois, a alma