Doce Azedo Amaro

Teste agora Após 7 dias, será cobrado valor integral. Cancele quando quiser.

Sinopse

O livro de doce azedo amaro, de Theo G. Alves é uma viagem pela poesia ainda possível de encontrar num mundo feito só de brutalidades. Cabe ao poeta descobrir essas palavras generosas ao homem para tornar a vida melhor, nem que seja por um instante. Como diz o poeta, em um de seus poemas, antes da poesia era só o estampido, o soco, o tiro, o golpe, a faca, a foice. Mas a poesia tem, sim, o poder de anular esses ferimentos cicatrizados na vida. O poeta diz: "ávido, espero/ o decreto de meu último/ silêncio/…/", como se a dizer que a palavra, infelizmente, talvez já esteja em desuso. O poeta se afirma vítima de muitas armadilhas do poema, mas sabe se proteger. O importante é construir sempre essa poesia escondida nos becos, naquele homem que caminhava pelos desertos, nas Dulcineias caladas no caminho, à espera ou à procura do Cavaleiro da Triste Figura, D. Quixote, que luta sempre contra visões, mas sempre em favor da Beleza. O poeta também recorre à memória para encontrar as imagens da infância, ainda vivas dentro de si. O livro de Theo G. Alves deixa uma mensagem significativa: muitas vezes, o amor é maior que o próprio amor. Um livro de poesia, de um poeta que sabe de seu ofício de escrever e sabe, também, como observa em um de seus poemas, que "o poema é sempre uma violência".
Álvaro Alves de Faria