18 Crônicas E Mais Algumas

Teste agora Após 7 dias, será cobrado valor integral. Cancele quando quiser.

Sinopse

A psicanalista Maria Rita Kehl retorna às livrarias com uma coletânea de crônicas: 18 artigos publicados no jornal O Estado de S. Paulo e outros 26 em veículos como Teoria e Debate, Folha de S.Paulo e Época, escritos ao longo da última década. Estão contemplados nesta obra textos célebres, como "Dois pesos...", que expõe as fissuras de uma sociedade desacostumada com a participação dos mais pobres.



Maria Rita questiona o papel do psicanalista na imprensa: para ela, não se trata de explicar certos fenômenos e "comportamentos" que intrigam a sociedade (e ajudam a vender jornais), mas sim de escutar o sintoma social. "O melhor que um psicanalista pode fazer, na imprensa, é quase idêntico ao melhor que pode fazer um jornalista por vocação: indagar o objeto de seu interesse, para além dos automatismos ideológicos e do conforto da teoria aplicada", afirma na apresentação do novo livro, publicado pela Boitempo Editorial.





"O impacto inquietante que a notícia sobre o inconsciente provocou nas sociedades bem comportadas do início do século XX deu lugar, cem anos depois, à expectativa de que a psicanálise possa oferecer explicações confortadoras para o mal-estar na civilização. Mas a psicanálise não tem vocação apaziguadora. A grande potência do dispositivo analítico continua a ser a de desestabilizar - certezas, crenças, ilusões, defesas neuróticas, fortalezas narcísicas."





O paralelo com a atividade jornalística vem de referências pessoais. Antes de trabalhar em clínica, Maria Rita escreveu para vários jornais de grande e pequena circulação e nunca abandonou de fato o meio. "A escrita jornalística me fez conhecer, mais do que os livros publicados ou os textos editados em revistas de psicanálise, a alegria incomparável de constituir uma voz que se faz reconhecer e escutar de imediato no espaço público." É a pauta que se impõe ao seu pensamento na hora de escrever, não importa quão comprometedora seja. "O ego não escolhe nada.