Os Transgressores

Teste agora Após 7 dias, será cobrado valor integral. Cancele quando quiser.

Sinopse

Uma dona-de-casa, um advogado, um estilista e um favelado. Em comum, a indignação com a injustiça social, o preconceito e a ignorância, além da decisão de mudar suas vidas em defesa das suas causas. A áudio série documental “Os Transgressores”, dirigida por Luis Erlanger, mostra a vida e o trabalho de quatro personagens – Lucinha Araújo, fundadora da Sociedade Viva Cazuza; Carlos Tufvesson, criador da Coordenadoria Especial de Diversidade Sexual do Rio de Janeiro; Celso Athayde, fundador da Central Única das Favelas; e o educador Paulo Freire – , pessoas que saíram de sua zona de conforto para enfrentar o que achavam que deveria ser mudado no sistema, cada qual com seu caminho.

Episódios

  • Capítulo 1: Paulo Freire

    Capítulo 1: Paulo Freire

    Duração: 22min

    Advogado por formação, Paulo Freire abandonou a carreira nos escritórios de advocacia para se tornar educador. Suas ideias subverteram o modelo educacional brasileiro, fato que lhe custou a prisão e o exílio. Mas apesar da revolução proposta por Freire na Educação, o trabalho dele tornou-se mais reconhecido fora do que dentro de seu próprio país.

  • Capítulo 2: Carlos Tufvesson

    Capítulo 2: Carlos Tufvesson

    Duração: 16min

    Com uma carreira bem-sucedida no mundo da moda, Carlos Tufvesson abandonou as passarelas e transformou-se em uma das maiores liderança no combate à homofobia e em defesa dos direitos humanos.

  • Capítulo 3: Celso Athayde

    Capítulo 3: Celso Athayde

    Duração: 22min

    Com uma trajetória transformadora de vida, Celso Athayde – que chegou a viver de bicos e até flertar com a marginalidade antes de se tornar um bem-sucedido produtor artístico – idealizou diversos projetos sociais de sucesso, entre os quais a criação da Central Única das Favelas, maior ONG do Brasil dedicada às favelas.

  • Capítulo 4: Lucinha Araújo

    Capítulo 4: Lucinha Araújo

    Duração: 14min

    Mulher de classe média alta que tinha uma vida voltada para o lar, Lucinha Araújo transformou a morte do filho em uma bandeira para proteger portadores do vírus HIV, através da Sociedade Viva Cazuza.